segunda-feira, setembro 27, 2010

Rumo à PetroSal

O lançamento primário de ações da Petrobrás ocorreu conforme o previsto. Um sucesso! A empresa captou em torno de R$120bi para o balanço.

Acabou o sucesso. O editorial do Estado de São Paulo descreve alguns detalhes que mostram como o lançamento das ações teve um forte viés político. O ponto é a manobra financeira: o governo aumentou sua participação na empresa de aproximadamente 40% para algo em torno de 48%, ou seja, dos R$120bi da captação, R$75bi aproximadamente foram recursos vinculados ao governo (estatais, bancos, fundo soberano); R$35bi, recursos privados, ou exatamente o quantidade que será disponibilizada no caixa da empresa para investimentos. Os outros recursos (no valor do que o governo investiu), será para redução da alavancagem (que ameaçava os indicadores de saúde econômica financeira da empresa).

Preferencialmente chamo a atenção para o fato de a Petrobrás ter colocado um lote adicional de até 20% do volume básico da operação com a possibilidade de tornar-se 25%, mas apenas 8,7% de ações adicionais foram oferecidas. Será que a demanda pelos papéis não foi tanta quanto estimada?

Nenhum comentário: